Paul Gasol e Luis Scola dão adeus as suas seleções, fazendo história no basquete internacional

Paul Gasol e Luis Scola dão adeus as suas seleções, fazendo história no basquete internacional

Na última terça-feira (3), aconteceram as quartas de final do basquete masculino dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Espanha e Argentina foram derrotadas por Estados Unidos e Austrália, respectivamente. Entretanto, a eliminação ficou em segundo plano. Isso porque dois dos maiores nomes da última geração do basquete anunciaram sua aposentadoria das seleções. Paul Gasol e Luis Scola deixarão saudades no fã da bola laranja, depois de mais de 20 anos representando seus países.

SIGA O ECB NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO TWITTER E NO TIKTOK

Carreiras de Scola e Gasol por suas seleções

O argentino estreou na equipe principal em 1999. Dessa forma, logo em sua primeira competição, conquistou a medalha de bronze, na Copa América daquele mesmo ano. Dois anos mais tarde, o ex-camisa 4 venceria seu primeiro torneio, que foi o Sul-Americano de 2001. Em 2002, Scola disputou seu primeiro mundial, e conquistou a medalha de prata, perdendo no final para a Iugoslávia.

Em sua carreira pela seleção argentina, Luis Scola conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas em 2004, e o bronze em 2008, em Beijing. Além disso, o ex-camisa 4 tem dois vice-campeonatos mundiais, em 2002 e em 2019, na China. No cenário sul-americano, são oito medalhas em Copa América, vencendo em 2001 e 2011, se somando a três pratas e três bronzes.

Pau Gasol estreou em 2001 na seleção espanhola de basquete, e logo em seu primeiro ano, foi medalha de bronze no EuroBasket, competição em que o pivô medalhou sete vezes, com três ouros em 2009, 2011 e 2015. Além disso, sua principal conquista pela Espanha foi em 2006, quando foi campeão da Copa do Mundo realizada no Japão. Em Jogos Olímpicos, Gasol conquistou três medalhas: duas de prata (2008 e 2012), e uma de bronze (2016).

História de Gasol e Scola em Jogos Olímpicos

Luis Scola

Pau Gasol e Luis Scola fizeram história em suas seleções pelos Jogos Olímpicos. Dito isso, os dois jogadores talvez tenham sido os principais nomes da melhor geração da história do basquete em seus respectivos países.

Scola fez parte da maior geração da história do basquete argentino, ao lado de Manu Ginóbili, Andrés Nocioni, Carlos Delfino e companhia, com o camisa 4 sendo o símbolo desse time. Luis Scola se tornou um ícone dos Jogos Olímpicos e entrou no Olimpo dos atletas, realizando o que podemos comparar com um dos 12 trabalhos de Hércules: comandar a Argentina numa vitória histórica contra os Estados Unidos, nas semifinais em Atenas, e levá-la ao ouro olímpico.

Dessa forma, no triunfo contra a seleção estadunidense, Scola foi um coadjuvante com 10 pontos, mas a atuação semelhante àquela de um Deus do Olimpo, veio na grande final, contra a Itália. O ala-pivô anotou 25 pontos e 11 rebotes, que se tornaram dourados, ao final da partida. Além disso, o camisa 4 conquistou o bronze em Pequim, no ano de 2008. Sendo assim, o jogador participou das únicas duas medalhas da história da Argentina, nas cinco olimpíadas que disputou.

Luis Scola comemorando título olímpico em 2004
Luis Scola comemorando título olímpico em 2004. Foto: fiba.basketball

Pau Gasol

Apesar de Pau Gasol não ter uma medalha de ouro como Scola, o espanhol tem mais medalhas que o argentino. O camisa 4 da Espanha subiu no pódio em três edições de Jogos Olímpicos, das cinco que disputou. A primeira delas foi em 2008, na China, quando os europeus conquistaram a prata, sendo derrotados pelos Estados Unidos na final por 118 a 107. Gasol anotou 21 pontos naquele jogo. Quatro anos depois, tivemos o mesmo rival, e o mesmo resultado na decisão olímpica em Londres, com o pivô anotando 24 pontos.

No Rio de Janeiro, em 2016, mais uma vez os Estados Unidos entraram no caminho dos europeus, e venceram mais uma vez, agora nas semifinais. Dessa forma, a seleção espanhola disputou o bronze contra a Austrália, e venceu num jogo emocionante por 89 a 88. Pau Gasol anotou 31 pontos e 11 rebotes, na que talvez tenha sido a melhor partida dele com a seleção, para garantir sua terceira medalha. Sendo assim, o pivô participou de três pódios, dos quatro que a Espanha já subiu na história do basquete nos Jogos Olímpicos.

Pau Gasol na conquista do bronze da Espanha nos Jogos Olímpicos de 2016
Pau Gasol na conquista do bronze da Espanha nos Jogos Olímpicos de 2016. Foto: fiba.basketball

Pau Gasol e Luis Scola contra o Brasil em Jogos Olímpicos

Gasol e Scola enfrentaram o Brasil algumas vezes em edições de Jogos Olímpicos, em confrontos muito competitivos e emocionantes. A começar pelo espanhol, que enfrentou a seleção brasileira em duas oportunidades, com duas derrotas. Primeiramente, em Londres (2012), os espanhóis perderam por 88 a 82, com destaque para 25 pontos de Pau. Além disso, no Rio de Janeiro (2016), nova vitória brasileira por 66 a 65, com 13 pontos e 10 rebotes do pivô.

Diferente de Gasol, Scola tem boas lembranças de enfrentar a seleção brasileira, e é tido pela torcida como um carrasco. O argentino também enfrentou o Brasil duas vezes em Jogos Olímpicos, com duas vitórias. A primeira foi nas quartas de final em 2012, por 82 a 77, com 17 pontos do ala-pivô. Enfim, no Rio de Janeiro, novo triunfo, por 111 a 107, com duas prorrogações, e eliminando o rival anfitrião na fase de grupos. Dessa forma, os 14 pontos do camisa 4 deram espaço para a atuação espetacular de Nocioni naquele dia, com 37 pontos.

Luis Scola contra o Brasil nos Jogos Olímpicos de 2016
Luis Scola contra o Brasil nos Jogos Olímpicos de 2016. Foto: fiba.basketball

Gasol x Scola nos Jogos Olímpicos

Em três ocasiões, Pau Gasol e Luis Scola se enfrentaram em Jogos Olímpicos, com três vitórias do espanhol. Destaque para o primeiro confronto em Atenas (2004), com triunfo espanhol por 87 a 76, mas com ambos anotando mais de 25 pontos. Enfim, as outras duas vezes foram no Rio, em 2016 e recentemente em Tóquio (2020).

Luka Doncic: um indício de sucessor?

Curiosamente, na mesma edição dos Jogos Olímpicos em que duas lendas do basquete internacional se despedem de suas seleções, um novo nome aparece como um sucessor: Luka Doncic. O esloveno, astro do Dallas Mavericks vem fazendo história por seu país. Primeiramente, nunca perdeu pela Eslovênia, com 17 vitórias. Além disso, venceu comandou sua equipe na conquista inédita no Eurobasket, e a classificação inédita e briga por medalha em Tóquio. O futuro parece estar em boas mãos.

Pau Gasol e Luka Doncic se cumprimentando após duelo nos Jogos Olímpicos
Pau Gasol e Luka Doncic se cumprimentando após duelo nos Jogos Olímpicos. Foto: fiba.basketball

Essas linhas ainda ficaram curtas, para descrever o tamanho de Pau Gasol e Luis Scola no basquetebol de seus países. Argentina e Espanha viveram suas melhores gerações, com a estrela dos dois jogadores, com muitos aspectos parecidos. História, talento, e conquistas são apenas algumas semelhanças, que vão muito mais além do que o número 4 na camisa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: