Keldon Johnson e JaVale Mcgee são adicionados ao elenco dos EUA na Olimpíada de Tóquio

Keldon Johnson e JaVale Mcgee são adicionados ao elenco dos EUA na Olimpíada de Tóquio

Há menos de 10 dias da sua estreia na Olimpíada de Tóquio, a seleção masculina dos Estados Unidos perdeu dois de seus principais jogadores. Bradley Beal, cortado por estar no protocolo da Covid-19, e Kevin Love, que não conseguiu se recuperar das diversas lesões que têm atrapalhado sua carreira nos últimos anos. Para preencher o buraco criado pelas ausências, o treinador Gregg Popovich chamou o ala Keldon Johnson, que está no seu segundo ano de carreira e joga no San Antonio Spurs, e JaVale McGee, o pivô veterano que retornou ao Denver Nuggets nesta temporada da NBA.

A princípio, muitos torceram o nariz quando Popovich chamou o jovem ala para a seleção. Porém, Johnson já mostrou seu valor na sua primeira partida, a última dos EUA na série de amistosos preparatórios para Tóquio. Ele fez 10 de seus 15 pontos no terceiro quarto, ajudando a seleção de seu país a garantir a vitória em cima da Espanha.

Com a chegada de Khris Middleton e Devin Booker, ambos disputando as Finais da NBA no momento, Johnson terá pouca responsabilidade de gerar pontos no ataque. Contudo, é bom ter um ala que converte 36% das cestas de 3 pontos na sua carreira. Afinal, não existe nenhuma garantia que, depois de uma temporada cansativa, Middleton e Booker estejam dispostos, física e mentalmente, a carregar suas responsabilidades ofensivas.

Johnson arremessou quando livre, cortou para a cesta quando deram espaço e ajudou o time na defesa. Enfim, tudo que a seleção pode pedir de um jogador que chega nesta situação.

Ao contrário de Johnson, temos McGee. Ele é mais problemático que seu companheiro. O motivo pelo qual Pop chamou JaVale é óbvio. O time precisa de um pivô. Antes da chegada do atleta de 2,13m de altura, os EUA só tinham Bam Adebayo para defender o aro.

Finalmente o time pode trocar de estilo de jogo, mantendo o tamanho. Entretanto, McGee não é a lâmpada mais brilhante do estoque. Repetidas vezes o pivô toma decisões que fazem o fã do basquete pensar, “o que McGee está fazendo?” Mesmo assim, ele pode ser importante quando os EUA tiverem que defender adversários como a França, a primeira partida da equipe, do pivô Rudy Gobert.

Acima de tudo, Popovich pareceu procurar jogadores dispostos a defender seu país e com qualidades para tapar buracos deixados pela negativa de tantos atletas cansados de uma temporada comprimida pela pandemia.

Estados Unidos
Seleção dos EUA: trocas inesperadas no elenco. Foto: divulgação/Getty Images.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: