Os “glue guys” da seleção masculina dos Estados Unidos

Os “glue guys” da seleção masculina dos Estados Unidos

 

Primeiramente, o que é um “glue guy”, um cara que é a cola do time: seu time precisa de alguém que conheça bem os esquemas defensivos e ofensivos? É ele. Precisa de alguém para sacrificar o corpo cavando faltas do ataque? Ele mesmo. Que alguém tente ao máximo parar o ataque adversário em um momento crucial do jogo? Você sabe quem chamar. Pegar um rebote ou dar uma assistência importante? Já deu para entender, né?

Não é que eles não consigam pontuar, é que eles preferem vencer como uma equipe ao brilhar individualmente. Eles entendem a importância de tomar as decisões certas, diminuir os erros. 

E, a seleção masculina americana tem quatro jogadores desse estilo.

Draymond Green

As pessoas se impressionam com Steph Curry e Klay Thompson arremessando, mas o óleo que faz a máquina do Golden State Warriors funcionar é o ala-pivô Draymond Green.Podendo marcar da posição um até a cinco, Green sabe como se movimentar na defesa.

Quando em quadra, Green faz com que o time fique versátil. Além da defesa, ele pode armar as jogadas, fazer corta-luz para os companheiros e, de vez em quando, até pontuar.

Raramente você verá Green no SportsCenter da ESPN, com jogadas mirabolantes, enterradas estapafúrdias e arremessos do meio da quadra. Mas, se assistir ao jogo, verá ele coordenando a defesa como um maestro comandando O Voo do Besouro, de Nikolay Rimsky-Korsakov ou encontrando companheiros com passes certeiros.

Jrue Holiday

Holiday, jogando a terceira partida das Finais da NBA enquanto escrevo, é um dínamo defensivo. Apesar da falta de altura, Holiday costuma dificultar a vida de atletas mais altos apenas com vontade, esforço e conhecimento das tendências ofensivas dos adversários.Em uma NBA que, cada vez mais dificulta a vida do defensor, Holiday é uma raridade com seu impacto defensivo.

+ SIGA O ECB NO YOUTUBE, NO INSTAGRAM, NO TWITTER E NO TIKTOK

No ataque, Holiday não necessita da bola para ter sucesso. Ele costuma encontrar buracos na defesa para atacar no momento certo. E, parece sempre estar pronto para converter um arremesso de 3 em um momento oportuno.

Bam Adebayo

Adebayo faz de tudo um pouco, um típico “glue guy”. Pontos, rebotes, tocos, roubadas, ele está pronto para suprir as necessidades do time. Na seleção americana, ele traz uma presença necessária no garrafão O único pivô de fato, ele será essencial para defender o aro dos favoritos ao ouro olímpico.

A experiência que teve com defesa por zona no Miami Heat pode vencer partidas no basquete internacional. 

No ataque, é outro que não precisa da bola nas mãos para ter um impacto. Bam ficará contente em fazer um corta-luz depois de outro e rolar para o aro, esperando um passe das mãos capazes de seus companheiros. 

Jerami Grant

Grant é aquele cara que o treinador ama ter no banco da equipe. Você pode jogar ele em qualquer roubada que ele dá um jeito de ter sucesso. Desde marcar pivôs até carregar o ataque da equipe, Grant sempre aparece pronto para sua missão do dia.

Ele pode espaçar a quadra no ataque, trocar tudo na defesa e manter o time com a cabeça no lugar durante momentos difíceis. 

O “glue guy” é essencial para o sucesso de uma equipe de basquete. Como o nome diz, eles mantêm o time unido. Podem não ter as estatísticas mais impressionantes, mas são essenciais para a única estatística que importa.

Vencer.

4 thoughts on “Os “glue guys” da seleção masculina dos Estados Unidos

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: