Vasco da Gama e o patrocínio da TIM que nunca existiu

Vasco da Gama e o patrocínio da TIM que nunca existiu

Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Recentemente foi noticiado que o Vasco da Gama está fora da nova temporada do Novo Basquete Brasil (NBB) e, o pior, que o clube está encerrando as atividades do basquete adulto. Essa notícia trouxe grande repercussão na mídia como um todo e vocês leram aqui o que penso sobre essa situação.

Tudo parecia encerrado após essa decisão da diretoria, mas um fato novo surgiu e decidi dar uma apurada. Soube que o “tal” patrocínio da TIM, não estava confirmado. Bem longe disso na verdade. Vamos aos fatos.

No dia 3 de julho, a diretoria confirma ao GE que o clube vai jogar a próxima temporada do NBB. Porém, nove dias se passam e é anunciado que o dinheiro que iria para o basquete será destinado ao futebol de base, fazendo com que o Cruz-Maltino anuncie a desistência de participar do campeonato.

Em entrevista para o Thierry Gozzer do GloboEsporte.com, Jorge Veríssimo explicou a sua saída do clube e falou sobre a situação envolvendo o patrocínio.

“Fui chamado para uma reunião e o presidente me comunicou que o patrocínio da Tim seria dado para o futebol de base por necessidade e não haveria o adulto no basquete. Tive que concordar. Parece que a base do futebol passa por dificuldades. Não me restava nada a não ser me curvar. De decisão minha, solicitei minha decisão. Anteontem, estava tudo CERTO. Essa reunião aconteceu nesta sexta-feira e houve essa definição da grana que não seria dada ao basquete. Solicitei que o Fernando Lima entrasse em contato com a Liga. Não vamos na reunião no sábado. Solicitei que fosse avisado inclusive. Não soubessem pelo jornal e sim pela gente.”

Em seu blog pessoal, o ex-Vice-presidente de Quadras e Salão também comentou sobre a sua demissão.

“Entretanto, dificuldades financeiras de última hora, fizeram um patrocínio CERTO se desvanecer como fumaça e obrigaram a Presidência do clube a optar pelo futebol de base, em detrimento do basquete adulto.”

Repare que nas duas falas ele repete a palavra “certo” em relação ao patrocínio.

Após essas declarações eu entrei em contato com o Sistema Eletrônico de Informação ao Cidadão (e-SIC.RJ) para saber se o Vasco tinha algum projeto de basquete protocolado ou aprovado com a TIM. Veja abaixo na íntegra a resposta.

A resposta da Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (SEELJE), confirma que não existia nenhum patrocínio certo. Já que nem o processo para a captação de recursos foi aberto. No máximo existia uma carta de intenções da empresa.

Bem verdade, que o clube poderia receber esse valor da empresa privada diretamente sem passar por um projeto incentivado. Porém, é improvável que isso fosse acontecer. Levando em conta que o clube precisaria no mínimo expor a marca de uma forma que fosse vantajosa para a TIM e durante esses anos está claro a ineficiência da comunicação no basquete. Além disso, um projeto incentivado tem abatimento no ICMS do ano seguinte para empresa e isso é o mais usado atualmente no basquete.

Para ouvir o lado da instituição, entrei em contato com a assessoria de imprensa do clube e fui informado que o VP da época já tinha comentado sobre o assunto e que eles não iriam emitir nenhuma opinião nova.

Mais uma vez o clube mostra a sua incompetência fora das quadras e a grande capacidade de faltar com a verdade em relação ao seu torcedor. Infelizmente, está claro que a chance da modalidade adulta voltar, é pequena. Agora só resta saber se esse dinheiro foi realmente usado no futebol e torcer para que os times de basquete de base do clube continuem vivos.

Foto: Rafael Ribeiro/Vasco

Siga o Blog do Souza nas redes sociais:

 

 

 

 

3 thoughts on “Vasco da Gama e o patrocínio da TIM que nunca existiu

  1. Eu entendo você não ter gostado da matéria, mas eu procurei o clube e se recusaram a comentar. O senhor é ex-VP do clube e eu trato na matéria o fato do clube não ter nada certo em relação ao patrocínio. Tanto que foi “destinado” para o futebol de base. No momento que o clube depende de uma empresa terceira para conseguir captar recursos, não podemos afirmar que estava “certo” o patrocínio.

    Aproveitando esse pequeno espaço, você confirma que vocês nem sabiam do valor na TIM e só ficaram sabendo após uma ligação de um dirigente do Botafogo? Pq foi isso que eu soube ou estou errado?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: